28.9.11

turquia (e, ainda, um bocadito da grécia)



Olá! Tutti frutti?
Já não estou na Grécia, e prefiro não falar muito mais sobre ela. Infelizmente, daqui a uns tempos, vou ter de voltar, num dos milhentos cruzeiros que lá se atropelam, estendido numa daquelas cadeiras preguiçosas, casado com uma velha rica e mamalhuda. É a vida... O destino assim manda, e, contra ele, é cansativo lutar. Não costumo virar as costas às adversidades e não o farei desta vez, embora pretenda encara-las ligeiramente embriagado, ou drogado.

Estou na Turquia, em Pamukkale, desde ontem. É, como as ilhas gregas, um sítio recheado de turistas, perseguidos por matilhas de vendedores esfomeados. Mas o ambiente, o cheiro, é outro. E os preços, também. Iupi. 
É bom voltar a um país muçulmano, passar o dia a chá, à espera que um gajo grite ao microfone da mesquita para avisar que é a hora de beber duas cervejas, antes de ter de voltar ao chá. Gosto dessa disciplina. E é bom estar num sítio onde ter barba ainda vale alguma coisa, e onde gozar com os cristãos, só porque tem piada, é obrigatório, por lei. Também gosto de gozar, confesso. A verdade é que o Jesus, o Cristo, se pôs a jeito. Era meio estranho. Imaginem o rapaz, com imensas possibilidades ao nível dos super-poderes, escolhe, além de curar pernetas e essas tretas, andar sobre a água. Uuhhuu, espectacular! Isto lembra a alguém? Andar sobre a água? Já ouviram alguém dizer - Eu até gostava de ter visão raio-x, para ver as gajas todas nuas e essas cenas, mas preferia conseguir atravessar a pé a piscina do meu vizinho…"? Não digo mais nada porque fui baptizado e, por castigo, ainda me dá aqui um torcicolo ou um joanete. Adiante… a coisas sérias.


Amanhã vou para Istambul. Tenho de fotografar. Ainda não fiz nada de jeito e ando arreliado com isso. Há trabalhos óptimos sobre a cidade e tenho curiosidade de ver o que posso fazer. Quando matar a curiosidade, vou embora. 
Não devo visitar o resto da Turquia. As Capadócias,… ficam para outra altura. Estou mortinho por chegar ao Cairo e começar a descer. Não é complicado como uma expedição ao pólo sul ou ir a um hipermercado no natal, mas demorei algum tempo até estar preparado para voltar a viajar em África, que não é o mesmo do que a visitar, e apetece-me começar. Sinto falta de apanhar autocarros apinhados, barcos furados, boleias caridosas, passar fronteiras com policias mal dispostos, viver na rua, das pessoas,... sinto falta do desafio. Como diz o Samuel Úria logo no início de um álbum, "Se isto fosse fácil, eu não o fazia. Se fosse difícil, eu nem lhe tocava". Até agora foi bom, mas fácil. Quero ir embora, descer.

Hoje escrevi isto rápido. Tenho tempo de pentear o bigode e ir às turcas.
Beijos

video

6 comentários:

2 de Três disse...

:)

Anónimo disse...

ehehehehe...! Quase que escrevia um comentário, mas mandei-te um mail.

PS: Veste um casaquito...

pedro elias disse...

já vi. gosto de mails...

Nuno Ferreira Santos disse...

Welias, não te acanhes a escrever as aventuras.
:)

Anónimo disse...

Ei! Estás fixe?

pedro elias disse...

Ei! yep